VAQUITA MARINHA CAPTURADA PARA SALVAR A ESPÉCIE, MORRE NAS MÃOS DE CIENTISTAS

2343ef6b90b74a49c2e12f20c6a37bb2087ef462-418x235

Os esforços do México para salvar a vaquita marinha, espécie criticamente ameaçada, foram seriamente abalados quando um dos apenas 30 exemplares restantes na natureza morreu logo depois de ser capturado pelas autoridades.

A vaquita marinha, o menor cetáceo do mundo, foi levada à beira da extinção pela pesca ilegal com redes de emalhar.

O governo mexicano e grupos de conservação lançaram um plano sem precedentes para salvar a espécie, levando o maior número possível de exemplares a uma reserva marinha protegida.

O ministro do Meio Ambiente mexicano, Rafael Pacchiano, elogiou a captura, no sábado, de uma fêmea adulta – o primeiro animal em idade reprodutiva a ser capturado -, qualificando-a como “uma grande conquista que nos enche de esperança”.

A vaquita capturada, no entanto, “sofreu complicações” e sua condição de saúde se deteriorou, tuitou Pacchiano.

As tentativas das autoridades de soltá-la de volta no Golfo da Califórnia – o único lugar no mundo onde as vaquitas são encontradas – não foram bem-sucedidas.

Pacchiano anunciou a morte do animal no domingo, e disse: “Continuamos empenhados em salvar a vaquita da extinção”.

As autoridades estavam aguardando os resultados da autópsia para entender a causa da morte.

O Comitê Internacional para a Recuperação da Vaquita (CIRVA), que projetou o programa, disse que, embora as operações de resgate envolvam um risco significativo, “o risco de extinção devido à mortalidade em redes de pesca é muito maior do que o risco dos esforços de resgate”.

A iniciativa, que começou em outubro, está tentando localizar as vaquitas restantes usando monitoramento acústico, buscas visuais e golfinhos treinados pela marinha dos Estados Unidos.

As vaquitas capturadas serão transportadas para um santuário marinho, onde se espera que procriem, antes de serem mandadas de volta à natureza.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *